sábado, 28 de junho de 2014

FADINHAS VIERAM NOS PRESENTEAR





















Venham, venham amiguinhos, olhem só como está linda, é a nossa casinha, que com tanto amor fizemos, era bem simplesinha, pois somos criancinhas, enfeitar não sabíamos. 


Então, enquanto, pensava, em contar mais uma historinha, fui chegando devagarinho, achando que estava na casinha errada, pois duas fadas madrinhas, com suas varinhas brincavam, enfeitando nossa casinha.



Anjinhos apareceram, quadrinhos ganhamos, relógio de anjo, selinho de link, linda mascotinha, tudo feito com amor. 


Então, decidi, deixar a historinha pra depois, hoje quero agradecer, por tão belo gesto de amor, prometo nunca abandonar, os ensinamentos de 
amor, as portas sempre abrir, para todas as crianças e para toda gente grande que como as duas fadas madrinhas, adultas crianças se fizeram deixando a 
pureza do amor em sua alma entrarem.


Foi só o que elas pediram, sem nada falarem, os seus olhos sorriam como duas crianças travessas,  Evanir e Gracita nossas fadas madrinhas, vejam 

amiguinhos, hoje elas nos deram uma linda lição de amor puro e desinteressado.




FADA MADRINHA EVANIR              FADA MADRINHA GRACITA
















OBRIGADÃO TIA EVANIR E TIA GRACITA 

AMIGUINHOS PODEM VISITAR É SÓ CLICAR NO NOME DAS FADINHAS.

domingo, 22 de junho de 2014

NASCIMENTO JOÃO BATISTA - LINDA HISTÓRIA



Olha só, que dias difíceis, para os adultos, passaram duas semanas sem poderem fazer a reunião, não tinha jeito, na primeira semana foram os pais de João e Isa que não puderam vir, então os pais de Matheus acharam que era melhor deixar para a próxima semana, mas aconteceu de vovó precisar viajar para o interior para cuidar de minha tia, que ia ganhar nenê, ela só voltaria depois que ele nascesse e titia estivesse bem. Aí, aí, para nossa tristeza não haveria por enquanto os encontros semanais, os adultos acharam que sem a vovó perdia a graça, que ela era nossa comandante, ela não gostou, disse que qualquer um poderia tomar o seu lugar, mas ninguém se atreveu, pena.
Então, euzinha, com ajuda de mamãe, preparei uma historinha, reunindo meus amiguinhos para contar, numa tarde de quinta-feira, quando a mamãe estaria em casa mais cedo do trabalho, então com todos reunidos, desta vez no gramado de casa, comecei minha historinha:

_Vocês sabiam que antes de Jesus nascer, nasceu um homem chamado João Batista, que veio para avisar todo povo que Jesus, o filho de Deus, nasceria no mundo?

_Ah Didi, São João Batista é um santo católico, é deste que está falando?

_Sim, Matheus, mas antes de existir igreja católica e o fizerem santo, ele foi o profeta que preparou o caminho de Jesus.

_Ele nasceu milagrosamente, por que sua mamãe já tinha muita idade e seu papai também.  Seu papai era um sacerdote chamado Zacarias e sempre era tristonho por que sua esposa nunca tinha engravidado. Mas um dia no templo, um anjo chamado Gabriel apareceu a ele e lhe disse que Deus havia abençoado a ele e a sua esposa Isabel e por isto ela teria um lindo bebê, que seria como o profeta Elias, que viria para amansar os corações do povo,  Zacarias deu a entender que não acreditava, porque eram velhos para ter um filho.

_Nossa, ele duvidou do anjo Gabriel? –perguntou Isa

-Sim, e por isto o anjo o deixou mudo, dizendo que só voltaria a falar quando o nenê nascesse.  E adivinhem se o nenê nasceu?

_Claro que sim, oras era o anjo que falava.

_Isto mesmo, João, ele nasceu, e depois de oito dias quando perguntaram o seu nome, sua mãe Isabel disse que era João, mas eles não acreditaram então o pai ainda mudo escreveu o nome João em uma tabuinha e em seguida voltou a falar. E sabem do que mais? João era primo de Jesus, pois Isabel era prima de Maria, mãe de Jesus.

_Mas esta historinha fica pra próxima vez, não adianta falarmos um monte de coisas novas, temos que primeiro pensar e compreender aquilo que ouvimos-era minha mãe que viera trazer bolinhos de chuva que falava.

-Aqui estão os bolinhos de chuva e leite com chocolate, mas também ajudei a Didi a escrever esta historinha e aproveitei para tirar cópias para seus pais, assim enquanto vovó socorre minha irmã, continuamos a aprender e seus pais ficam a par de tudo.

Bem, os meninos já estavam com a boca cheia, eu corri pegar bolinhos também, depois do lanche ainda era cedo e brincamos um pouco de corda. Ah! Como eu gostava destas horas.
Bem, até a próxima vez, voltem por que vai ter continuação.

Didi


Luconi

22-06-2014

quinta-feira, 19 de junho de 2014

JESUS DIVIDIU OS PÃES PARA MULTIPLICAR

 Imagem CATEBRINCANDO

Aquela semana havia feito dias ensolarados muito bonitos, nossos pais se comunicaram por telefone e resolveram fazer um piquenique no parque, só que ao invés de ser na hora do almoço, seria logo depois, levariam algumas guloseimas e refrigerantes, como sempre, cada um levou um pouco, e todos ali nos reunimos lá pelas quatorze horas.

Vovó estava animada, levou a cadeira de abrir e acomodou-se, os pais de Matheus não puderam ir, tinham compromisso, mas Matheus foi com os pais de João, Isa foi com a mãe e seu pai teve que ir trabalhar naquele sábado, pena por que a historinha da vovó era muito bonita.

Ela começou assim:

­_Durante a vida de Jesus nesta terra, muito Ele nos ensinou, uma das coisas que Ele nos ensinou foi que dividindo sempre multiplicamos.

_Mas quem divide sempre fica com menos, vovó- disse João.

_Nem sempre meu filho, aliás, quando dividimos nossos bens, nossa comida, na verdade multiplicamos as bênçãos que o Pai nos envia e este tesouro é o mais valioso que há.

Vejam, um dia, Jesus saindo do templo, resolveu ir para o outro lado do mar da Galiléia. Mas grande multidão o seguiu, pois sabiam que Ele realizava muitas curas. Jesus chegou ao monte e assentou-se ali com seus discípulos, começando a ensinar-lhes, mas reparou que o povo foi chegando e ali se assentando para ouvi-Lo e era muitas pessoas. Jesus com o tempo ficou preocupado, pois estava perto da noite e sabia que a multidão estava com fome, ali perto não havia onde conseguir o que comer para eles e manda-los embora sem se alimentarem Ele tinha dó, afinal moravam longe e, além disso, estavam ali por Ele.

Então, Jesus perguntou a Filipe aonde comprariam pão para alimentá-los, Filipe espantado disse : Mestre, são cinco mil homens mais as mulheres e crianças, precisaria de muito dinheiro e nós não temos. Então, outro discípulo André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe, está aqui um rapaz que tem cinco pãezinhos e dois peixinhos, mas é muito pouco, para milhares de pessoas.

Jesus então pediu que lhe trouxessem os pães e os peixes, curiosos eles obedeceram e então Jesus  orou a Deus e abençoou os pães e os dividiu então pediu que os discípulos se servissem entre si e depois servissem a toda multidão à vontade, assim foi feito. E mais eles serviam o pão mais ele aumentava e no final todos ficaram satisfeitos e então Jesus pediu que recolhessem as sobras para que nada se perdesse, e deu doze cestos de pães a sobra e todos ficaram maravilhados.

Jesus alimentou cinco mil homens mais as mulheres e crianças com cinco pães abençoados por Ele e divididos. Então a multidão dizia, este é mesmo o verdadeiro profeta que havia de vir ao mundo.

Vovó fez uma pausa e disse:

_Estão vendo, como quando dividimos com amor não precisamos nos preocupar, pois se fizermos com amor, as bênçãos divinas farão que por menos que seja o que temos para dividir, este pouco sempre se multiplicará e nada nos faltará principalmente o amor em nós nos trará uma imensa paz.

_Jesus fazia maravilhas, vovó.

_Didi, fazia não, Ele faz maravilhas- falou a mãe de Isa, dona Bela.

_Isto mesmo, as maravilhas acontecem todos os dias, os homens cegos não enxergam, surdos não ouvem, insensíveis não sentem – completou mamãe.

_Ótimo, é isto mesmo Bela e Margarida, gostaria que todos participassem, pois todos tem uma forma especial de mostrar seu amor por Jesus.

_Vamos fazer uma prece em agradecimento destes momentos sugeriu Dona Ana mãe de João.

Então, todos nos demos as mãos e olhando para aquele céu tão azul, em coro oramos o Pai Nosso e demos Graças a Deus.
Rapidinho, euzinha e João estendemos a toalha na relva e colocamos as guloseimas, mamãe deu risada:

_Meninos, meninos, não sei se gostam das reuniões ou se das guloseimas.
_Gostamos de tudo dona Margarida, de tudo, mas comer gostosuras tão um toque especial – disse Mateus.

Então atacamos e brincamos um pouquinho de pega pega, tomara que haja logo outra reunião.




Didi



Luconi
19-06-2014

domingo, 15 de junho de 2014

LEI DA AÇÃO E REAÇÃO



Nossa que demora para chegar o outro sábado, nós , as crianças, estávamos ansiosas,  afinal tudo ia se basear na historinha  que iríamos fazer.  Não estava fácil, vovó pediu que fosse pequena, afinal seriam duas historinhas, então resolvemos resumir bastante.

No sábado, todos estavam lá, lógico que as guloseimas também, desta vez a mãe de Matheus avisou que traria pastéis para fritar na hora, então vovó disse que ninguém precisava trazer mais nada, os refrigerantes ficariam por conta dela. 

Todos reunidos, vovó preparou-se para ler nossas historinhas.

_Bem, vamos lá, nós falamos sobre a Lei da ação e reação, que cada vida vivida nesta terra está sujeita a esta lei, podendo nossa vida ser mais fácil ou mais difícil dependendo do que plantamos nas nossas vidas anteriores.

_Sim, disse o pai de João e os meninos ficaram de fazer as historinhas.

_Exato- respondeu a mãe de Isa.

_Vou primeiro, ler o que escreveram sobre a criança gulosa - assim vovó começou:

“ Alberto era um menino bem magrinho, mas ninguém entendia como, por que ele sempre comia o seu lanche e o lanche dos amiguinhos, comia o seu bem rápido e já ia encostando nos outros, era um tal de uma mordida na merenda de um, na merenda de outro, e assim ia até que o recreio terminasse. Ninguém aguentava mais, a raiva era que o seu lanche ele comia rapidinho, antes que alguém pudesse pedir, então ia atrás dos lanches mais gostosos que via.  O pior era que as suas mordidas eram enormes, praticamente acabava com a merenda do outro.

Certo dia, foi comemorado na escola o aniversário de nossa professora, trouxeram bolo e brigadeiro e tortas, só nossa classe participava. Ninguém sabe como, Alberto surrupiou uma bandeja de brigadeiros e os colocou em um saco de papel e guardou na mochila, na festa comeu muitos pedaços de torta, entrou na fila do bolo várias vezes, quando chamaram sua atenção, ele passou a pegar o que as outras crianças deixavam no prato, quando serviram os brigadeiros ele não se fez de rogado, comeu, comeu e comeu. 

Depois, quando tudo já estava quase terminando ele foi ao banheiro e lá foi comendo os brigadeiros da mochila, voltou para a classe e encontrou só a professora terminando de arrumar a sala com a tia da limpeza, ela falou para ele ir pra casa, mas assim que saiu do portão da escola começou a se contorcer, ficou cor de cera, gritava  de dor, correram e o colocaram num carro e foram para o pronto socorro, quando a mãe dele chegou o diagnóstico tinha sido dado: CONGESTÃO.

Ele passou muito mal, lá no pronto socorro, ele começou a vomitar alimentos que não foram digeridos, então ele começou a chorar e contou a mãe que ainda pretendia comer o resto do brigadeiro que sobrara na mochila, mas que ela podia  jogar fora.
Desde dia em diante, ele melhorou, a mãe dele pediu para todos nós, que não déssemos mais nosso lanche para ele, que seria o único jeito de ajudá-lo a corrigir defeito tão feio.

_Muito bem, falou papai, não devemos nunca desejar o que não é nosso, podemos compartilhar com um colega, ele dá metade do dele e nós damos metade do nosso, agora se for um amiguinho que está sem lanche, aí sim devemos repartir, para que nosso coleguinha não fique com fome.

_Bem, disse a vovó agora vamos ver o que escreveram sobre o adulto ranzinza.

Numa rua distante do centro, morava uma senhora que toda vez que os meninos deixavam cair a bola no seu quintal, ela rasgava a bola e gritava: Sumam daqui!  Os seus vizinhos a cumprimentavam, mas ela mal respondia, quando fazíamos a quermesse de rua, ela de tudo reclamava, chegou até mesmo uma vez a chamar a polícia, alegando que era velha e não aguentava barulho.

 Com isso, ninguém fazia questão de sua amizade e quando não a viam não se preocupavam, afinal raramente ela saía, só de vez enquanto para fazer compra.

Certo dia, a nossa bola caiu em seu jardim, pertinho da porta de entrada da casa, como ela não apareceu, Henrique o mais corajoso, pulou o muro e foi buscar, antes que ela aparecesse, quando abaixou para pegar a bola escutou uns gemidos, curioso, bateu na porta, e então ouviu um abafado “socorro”. Correu avisar sua mãe que chamou a ambulância e a polícia para arrombar a porta, coitada, havia caído perto da porta, tropeçado no tapete, e feito uma fratura no tornozelo e no braço, já estava ali há um dia e meio. 

Quando voltou do hospital, teve ajuda de nossas mães, que pra tudo a ajudavam, aos poucos foi se recuperando, mas dias depois que chegou do hospital pediu que todos fossem à sua casa e disse:

“Com a perda de meu marido me fechei para a vida, tudo me incomodava, não conseguia ver mais beleza em nada, graças a Deus sofri este acidente e descobri que os meus vizinhos são gente caridosa e de bem e que o meu portão tem que estar sempre aberto para as crianças brincarem. Obrigada a todos, por não terem guardado raiva de mim e me ajudado”. 
Depois disso ela se modificou e passou até uma vez por semana a nos oferecer gostosos bolos, hummmmmmmm acho que se quebrar um pouquinho foi muito bom pra ela.

Vovó fez uma pausa e depois falou:

_ Dois exemplos claros da lei da ação e 
reação. Perceberam?

_Sim, vovó, o menino guloso, fez a ação de comer demais, mais que podia, sempre fazia isto, até que um dia esta ação fez que seu corpo tivesse uma reação e ele sofreu com a congestão, fazendo a mãe dele perceber que tinha que corrigi-lo. Falou João.

_E a senhora ranzinza, fez a ação de tratar mal todo mundo, por isto sofreu a reação de ficar isolada, e ninguém percebeu que por não a verem deveria estar com problemas, mas Jesus foi bom, fez as crianças deixarem cair a bola e ouvirem os seus gemidos, só assim ela percebeu que no mundo tinha pessoas boas, corrigiu-se e não ficou mais isolada. Explicou Matheus.

_Mas estas crianças estão muito sabidas, agora me expliquem qual foi a ação boa que originou uma reação boa? perguntou vovó.

_Ora vovó, esta é fácil –respondi- as crianças e os vizinhos fizeram uma ação de amor ao socorrê-la e também as mães das crianças que a ajudaram quando voltou do hospital, a reação foi que ela aqueceu o seu coração com este amor e se arrependeu de ser ranzinza, passando a ser mais compreensiva e amorosa.

_Mas, então, chegamos à conclusão, que toda ação boa ou má, mais cedo ou mais tarde, provocará uma reação, por isto que falei da outra vez, que a reencarnação nesta terra pode ser mais fácil ou mais difícil, dependendo das ações que fizemos em nossas outras vidas.

_Sim vovó, e agora a senhora no outro sábado conta uma historinha de Jesus?

_Claro, existem muitas, vou ver uma bem bonita para lhes contar. Agora vamos agradecer a Jesus por estarmos aqui, convido ao meu querido genro, Fernando, que hoje pode estar aqui conosco, para agradecer.

Papai ficou vermelho, não gosta de ser colocado em evidência, mas fez uma linda prece de agradecimento e depois todos de mãos dadas rezamos o Pai Nosso.

E pronto, mamãe foi com a mãe de Isa fritar os pastéis, e rapidinho estávamos comendo, que delícia. Mas gostoso mesmo, era nossos pais reunidos ali, conversando , rindo, brincando, sabe crianças repara nestas coisas, e gosta muito delas.



Didi

Luconi
15-06-2014








quarta-feira, 11 de junho de 2014

EVOLUÇÃO DO MINERAL AO HOMEM


A semana passou rápida demais, teve muitas atividades na escola, eu  esqueci-me da reunião marcada para sábado, mas vovó não e aproveitando que estava friozinho fez uma deliciosa torta de frango já na sexta feira, hummmmmmmmm  eu adoro.


Lá pelas quatro da tarde, chegaram meus amiguinhos e seus pais, haviam combinado e foram passando um na casa do outro, agora o melhor é que a mãe de Matheus trouxe deliciosos canapés , a mãe de Isa um bolo de brigadeiro e a mãe de João trouxe refrigerantes. Assim era demais, ter que esperar todo o bate papo, para depois comer, que pena.


Mamãe ficou até sem jeito, nunca imaginara que iriam trazer alguma coisa, mas vovó disse eles estão sendo solidários, cada um traz um pouco e no fim temos um montão, aprende Didi, temos que sempre cooperar, jamais o peso deve cair em cima de um só.

Vovó sentou-se na sua poltrona predileta e foi dizendo:

_Sou toda ouvidos, pensaram sobre o que foi mostrado a semana passada?
O pai de Isa tomou a frente:_ Conversando entre nós, chegamos à conclusão, que apenas seria necessário uma explicação básica sobre reencarnação, apenas para termos ideia, depois evoluiremos os conhecimentos através dos livros, aqui não podemos nos aprofundar, por causa das crianças, que dever receber o que é próprio para suas idades, não queremos confundi-las.

Eu pessoalmente não gostei, os adultos acham que somos burrinhos, burrinhos e vovó me conhecendo, olhou-me  séria e seu olhar dizia “fique quietinha”.
-Mas não tem confusão que possam fazer, - vovó começa a falar – veja é bem simples.

_Quando nosso espírito é criado pelo Pai, passa por várias etapas evolutivas, que duram muito tempo, mais de um milênio, por que tudo é realizado gradativamente, desde o mineral, vegetal, animal e finalmente o humano.  Bem aos poucos ele vai se aprimorando, só quando chega ao estágio humano é que realmente ele está preparado para a lei do livre-arbítrio e já não é regido pelo instinto, ele passa a ser Racional.

Nas outras fases, ele vem à terra muitas vezes, só dando um tempo maior entre uma fase e outra, para se adaptar ao novo tipo de corpo que vai habitar, mas quando chega na fase humana, não, ele encarna, desencarna, e não encarna novamente em seguida, o tempo depende muito de cada um.
Desta forma, em toda reencarnação, todos vem com o propósito de evoluir espiritualmente,  o programa da reencarnação depende do que cada um semeou nas vidas anteriores, não é castigo de Deus, Deus nos ama muito e não nos castiga, é a Lei da ação e reação.

Todos escutavam atentos, lógico que eu e meus amiguinhos tentamos interromper várias vezes, mas sempre um adulto nos fazia sinal para aquietar, ora era legal saber que um dia fui um cristal e mais adiante uma linda roseira e mais pra frente um animalzinho, eu estava achando o máximo.

Quando vovó fez a pausa, todos começaram a falar ao mesmo tempo, entre si e com a vovó, e depois criança é que é faladeira.

O pai de Matheus gostou da Lei da ação e reação que vovó havia citado, e mais que depressa, sugeriu que fosse assunto dela conosco, as crianças, noutro dia, pois ele disse que esta lei acontece no nosso dia a dia sempre.

Vovó se animou, mamãe sugeriu que nos reuníssemos durante a semana  e juntos escrevêssemos uma historinha, onde deveríamos falar de uma criança gulosa e de um adulto ranzinza.

Ideia aprovada por todos, e assim quando terminássemos a história a entregaríamos a vovó que a partir daí explicaria a tal Lei.

Então, vovó fez uma prece, acompanhada por todos, agradecendo o Pai à oportunidade destes momentos fraternos.

Aí sim, nos reunimos em volta da mesa da cozinha e matei a minha vontade de tudo, ah que ideia boa dos pais virem ali, mas será que iria durar para sempre? Não sei, quando perguntei a vovó, ela disse, “ O tempo necessário para cada um, mas acabar mesmo nunca vai, pois aqui semeamos a irmandade entre todos”.

Bem, agora era esperar, mas que nós iríamos fazer uma linda historinha era certeza.




Didi


Luconi



11-06-2014

segunda-feira, 9 de junho de 2014

VOVÓ E UMA LINDA HISTÓRIA - MEU PRIMEIRO LIVRO ESPÍRITA



Vovó estava preocupada, tinha que falar com três pais, mas como ela sempre disse: " Nesta vida nada é por acaso", por isto decidiu ir pessoalmente à casa de cada um de meus amiguinhos. 

Foi no finalzinho da tarde, para tentar encontrar não só a mamãe como o papai dos três, voltou para casa muito contente. Parece que os três estavam um pouco afastados da prática da fé e decidiram que iriam lá em casa todos, para assistirem a aula que vovó iria dar, haviam marcado para sábado a tarde, dia que todos estariam livres.  

Vovó então, colocou a mão na cabeça, e agora? Decidiu que iria pesquisar, e encontrou um vídeo que decidiu iria apresentar para todos, tornaria sua tarefa mais fácil.

No sábado, preparou um belo bolo para lancharem, ficou encabulada quando viu a sala cheia, eram os pais de meus amiguinhos, eles, mais mamãe e papai.

Cumprimentou a todos, e disse:

_Vamos fazer o certo, que é elevar o nosso pensamento a Deus, pedindo a Jesus que nos envie bons amigos para que possamos entender a essência dos ensinamentos. 

Todos ficaram quietinhos e vovó em seguida rezou o Pai Nosso. 

Depois, falou: _ Agora vocês vão assistir a um vídeo, dura oito minutinhos, e nele estará a base, depois lancharemos e falaremos sobre assuntos diversos, quando forem para casa pensarão no que assistiram e anotarão as dúvidas que eu no próximo sábado, explico. 

Assim, a vovó colocou o vídeo e fez-se um silêncio total na sala.



Passou tão rápido, que pediram para vovó repetir e assim ela fez. 

Em seguida,todos já queriam perguntar, mas vovó disse:

_Devemos assimilar novos ensinamentos devagar, por isto durante a semana pensem, reflitam e eu estarei aqui no sábado para tirar as dúvidas que estiverem ao meu alcance. 

Adulto às vezes é pior que criança, ainda insistiram, mas vovó foi cortando o delicioso bolo de brigadeiro e eles se resignaram, nós as crianças, estávamos satisfeitos, um pouquinho de cada vez, melhor assim teríamos mais bolo na outra semana.

Ainda, ficaram um tempo, os pais falavam de futebol, as mães sobre nós mesmos e vovó apenas ouvia com sua costumeira paciência.

Agora é esperar o próximo sábado, o que será que eles vão perguntar?


Didi

Luconi
08-06-2014

domingo, 8 de junho de 2014

DEUS CRIOU A TUDO E A TODOS





E aí meus amiguinhos, vieram ouvir historinhas, mas hoje vai ser diferente, vou contar a vocês o que papai ensinou.

_ O teu pai? O Sr. Fernando é sempre tão ocupado, trabalha tanto, você sempre diz.

_É verdade, Isa, mas ontem a noite ele me disse que quem criou a tudo e a todos, incluindo nós e até o universo foi Deus.

_Ora isto minha mãe já disse, você não sabia? Eu, João e Matheus já sabíamos.

_É, mas hoje a vovó me disse que quando ele nos criou, não foi na barriga da mamãe, foi no mundo de verdade que é o mundo espiritual. Ele criou nosso espírito.

_Aí, aí, ela vai falar de fantasmas.

_Não, fantasmas não existem, 
Matheus,  existem os espíritos que vivem lá nas moradas de Deus, cada um na morada que merece, dependendo das boas ações que praticaram aqui na terra.

_Não, entendi, explica:

_Simples, Deus é o Criador, está sempre criando, o universo está sempre em movimento e quando cria um espírito ele cria a sua essência e este espírito ainda nada sabe, ainda precisa aprender.

_E aonde ele aprende? Lá tem escola?

_Isa o espírito aprende aqui na Terra, aqui é um planeta escola, ele aprende a cultivar o bem, só assim ele poderá evoluir e voltar ao Pai.

_É ele que entra na barriga das mães? Pergunta João.

_Olha, vovó disse, que no corpo das mães se forma o corpo e o espírito é trazido até este corpinho em formação, por espíritos que trabalham com isto, eles chamam este processo de encarnação. Por que é quando o espírito se reveste da roupa grosseira da carne.

_Nossa é complicado.

_Eu sei, Isa, por isto prestei bastante atenção na explicação da vovó.

_Acho melhor você pedir a tua vovó para conversar com a gente da próxima vez, tenho um monte de dúvidas.

_Eu já pedi, João, mas ela disse que isso ela vai ter que falar com os pais de vocês, porque são ensinamentos da  doutrina espírita e que ela não quer ir contra a crença dos seus pais.
_Bem, lá em casa ninguém vai à igreja nenhuma, mas mamãe fala muito de Jesus – fala João.

_Mesmo assim, vovó precisa pedir permissão, tem gente que não gosta e devemos respeitar, assim vovó falou.
_Então, o jeito é esperar, enquanto isto, bem que podíamos agora brincar de pega-pega.

_Eta, Isa, é bom mesmo, mamãe disse que estes assuntos tem que ter orientação.

Assim esquecemos o assunto, fomos brincar, mas assim que entrei corri pedir a vovó, que prometeu falar com os pais de meus amiguinhos.

Didi

Luconi
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...